Sobre jbcampos

Escritor, Freelancer, Psicanalista, Teólogo, Palestrante. Viúvo 71 anos escritorcampos.blogspot.com

Subscribe in a reader

Ser feliz

A felicidade é interna, ao se notar essa singeleza livrar-se-á das amarras externas.
Ser feliz é quase ser simplório.
Quem tem entendimento; entenda!

Jbcampos

Anúncios

Liberdade

Subscribe in a reader
Você se acha liberto?

Tomara que assim seja, (amém), porém, queira desculpar-me a franqueza de alguém que pensa ser liberto também… Agora mais do que nunca é o seu próprio prisioneiro, terá de pagar pela sua liberdade grande quantia qual nem é em dinheiro, meu prezado parceiro. Haja vista a crueldade dessa falsa liberdade. Tem de cuidar de si e de outros além… Será que tamanha liberdade de entranha não o fará entranhado no seu sonho encantado? Liberto ou libertado deverá tomar o cuidado com o seu próprio pecado. Os seus direitos terminam onde começam os meus. E isto é natural e independente de Deus, ou se você é crente ou ateu. Terá de carregar a sua cruz de vaidade se a sua liberdade for embasada no profundo mergulho do seu nefasto orgulho.
Perdoe-me, pois, tenho a sua mesma liberdade.

Pena que estejamos num laboratório da mais pura inconsciência telúrica.

Amor & Paz refletem esta liberdade…

jbcampos

Vida bela

Quão bela é a vida

Vida, sentida pelos sentidos,

realmente faz sentido diferente.

Não temos mais que o merecido.

Ainda assim o sol nasce para gente.

O sol nasce para todos os viventes,

porém, nascem árvores frondosas

também, nos Oasis mais quentes.

Veja como a natureza é bondosa,

Apenas num modesto canteiro

pode-se ver o seu mundo inteiro.

O Universo numa gota de orvalho,

ou pela mente, uma nova semente.

Para a felicidade não existe atalho,

o motivo aparente é viver contente.

O universo dá-lhe por encanto

o sentimento farto de espanto,

ao nobre e bem afinado canto

à canoro dentro de um viveiro,

livre do laço do passarinheiro.

À velhaco mundo passageiro.

Fazendo-se distraído,

e, revestido de recatado

sentido. Verdadeiro e santo,

e o seu planto fica enterrado

num canto ao lado, fertilizado

de enorme amor sem fim

no afofado canteiro pronto,

vai plantar você só para mim.

É apenas força de expressão,

você já vive no meu coração.

Deixo afogadas as mágoas

em lágrimas desaguadas,

e moldadas em amores

ao colorir de belas flores.

Inebriado em seus odores

a Deus elevo meus louvores

por vislumbrar-me no paraíso

de lírios e; odoríficos pendores,

refertos dos mais finos sabores.

Você pode ser feliz,

e o poema mesmo diz:

Faça da sua vida, querida

matriz, esquecendo as feridas

matizadas em suas plumas lilás,

sem sofrer por querer enxergar

além do seu próprio nariz.

Não precisa ver mais.

Você, nunca verá o fim!

A terra fofa também cheira

aproximando o meu próximo,

desta morada derradeira a mim.

Igual ao bruto diamante

a ser tratado como brilhante.

Não importo, posto que tosco,

ou refinado, faço o que posso,

nas ilusões de um plano fosco.

Quero ser feliz sem egoísmo,

na felicidade do próximo.

Restar-me-á o heroísmo

sem depender do destino

se o meu próximo for próspero

tal qual a inocência de um menino.

Pode-se viver eternamente, porém,

sem jamais ver todas as belezas da vida…

Quão bela é a vida!

O saber não ocupa lugar

Subscribe in a reader

Livros para mudar a sua vida
01-A bruxa do 120 – 02-A descida do eremita – 03-A face oculta do sucesso – 04-A roleta do ódio – 05-A sublime arte de escrever – 06-Aconselhados pelos espíritos – 08-As verdades do cotidiano – 09-Cartilha da família – 10-Cinco almas – 11-Conselhos divinos – 12-Enigma da vida – 13-Eu sou igual a você – 14-Hipnose de vidas passadas – 15-João Cutum – 16-Maria Hortelã – 17-Matar o ego – 18-Nosso mundo subjetivo – 19-Nuanças – 20-O marketing do entusiasmo – 21-O Anaconda – 22-O castelo dos desejos libidinosos – 23-O coração de pedra – 24-O diário de um vendedor – 25-O egnima 99 – 26-O facho doirado – 27-O fantástico mundo dos sonhos – 28-Fenômeno holístico – 29-O homem que deixou de sofrer – 30-O homem que psicografava  – 32-Mundo dos negócios paranormais – 34-Reino da consciência divina – 36-O sucesso a cada segundo – 37-O sucesso a cada segundo II – 38-O sucesso poético de autoajuda – 39-O sucesso sem mistificação – 40-O tempo passou – 41-Abnegados de antanho – 42-Os jurássicos – 43-Poemas do espírito – 44-Profecias do terceiro milênio – 45-Prospere lendo a Bíblia – 46-Provérbios que criam o sucesso – 47-Sare a sua mente – 48-Silêncio, a cidade dorme – 49-Tertúlia flácida para adormecer vacum – 50-Você tem o dom – 51-Água Viva – 52-Glória de um poeta
jbcampos

Fique rico com Deus

Subscribe in a reader

Prospere lendo a Bíblia

Fique rico com Deus!

Por que você tem de ser pobre, se já nasceu vencedor ao ganhar a corrida mais indigesta do ser humano ao derrotar trezentos milhões de espermatozoides.

Além do mais, você é filho do dono de todas as coisas, de todos os universos.

Único cuidado que deve ter é: não coloque o seu coração em nada desta existência.

Tenha a consciência de que tudo aqui passa, nada fica para sempre, e se tiver essa consciência verdadeiramente, limitar-se-á a viver o presente momento despreocupado, cultivando a paz, a maior de todas as riquezas, cuja riqueza se consegue com o amor incondicional.

Lucas foi médico.

Mateus, cobrador de impostos e ricaço.

Zaqueu, milionário.

José de Arimateia, senador e membro do sinédrio.

jbcampos

O meu riacho

Subscribe in a reader

O meu querido riacho

Um dia desses desci aos fundos do meu quintal, quase um paraíso tropical. Lá embaixo passa de leve como uma pluma levada em tempo de calmaria breve. Um riacho de águas puras e transparentes quais deixaram a minha tristeza contente. Até o rei dos astros estava meio fresco em seu astral naquele abençoado dia de plena alegria sentimental. Apesar do contrassenso; eu estava meio tenso de tanto pela vida andarilhar, estava mal. Sentei-me numa pedra que lá existe de propósito para uma contemplação moral. E aprofundei o meu olhar a olhar o que não via. Porém, além de uma cotovia, que sobre a barranca corria, eu via o céu de Deus com suas alvejadas nuvens a fazer inveja a Zeus, quem sabe se a God, Javé, Jeová, khrisna, eu sei lá… Eram belas nuvens brancas. Olhando bem ao fundo do riacho, vislumbrei além das nuvens o mais belo azul anil daquele formoso céu varonil. Vi uma cruz craveja de diamantes brilhantes, ou brilhantes diamantes e, era a de Jesus, e com certeza o era, já que estamos na “Era de Aquário” e aquele inefável cenário com tal relicário, com absoluta certeza, diante de tanta beleza só poderia ser o verdadeiro e derradeiro santuário. Extasiado e estático parecia um armário. Porém, logo ali apareceu um rosto reluzente a me deixar feliz, e sorridente… De coração ardente, mas de repente começou a estabelecer-se a confusão. Aquele belo rosto trazia uma corda no pescoço. E a antiga coroa da coroação? Não com espinhos para espinhar aquela visão. Mas, e se fosse Tiradentes, então fiquei radiante ante a sua aparição, embora, não houvesse comparação. Para melhorar a conclusão enfiei o meu olhar lá pro fundo, aos pedregulhos do chão. Aquelas nuvens pareciam algodão doce qual minha mente as trouxe, porém, foram abocanhadas por um cardume, o qual a mim me trouxe o azedume da antanha visão. Porém, do meu riacho envolveu-me um facho de verdadeira demonstração:

Com a nossa mente podemos criar o infinito.

jbcampos

O meu riacho

Subscribe in a reader

O meu querido riacho

Um dia desses desci aos fundos do meu quintal, quase um paraíso tropical. Lá embaixo passa de leve como uma pluma levada em tempo de calmaria breve. Um riacho de águas puras e transparentes quais deixaram a minha tristeza contente. Até o rei dos astros estava meio fresco em seu astral naquele abençoado dia de plena alegria sentimental. Apesar do contrassenso; eu estava meio tenso de tanto pela vida andarilhar, estava mal. Sentei-me numa pedra que lá existe de propósito para uma contemplação moral. E aprofundei o meu olhar a olhar o que não via. Porém, além de uma cotovia, que sobre a barranca corria, eu via o céu de Deus com suas alvejadas nuvens a fazer inveja a Zeus, quem sabe se a God, Javé, Jeová, khrisna, eu sei lá… Eram belas nuvens brancas. Olhando bem ao fundo do riacho, vislumbrei além das nuvens o mais belo azul anil daquele formoso céu varonil. Vi uma cruz craveja de diamantes brilhantes, ou brilhantes diamantes e, era a de Jesus, e com certeza o era, já que estamos na “Era de Aquário” e aquele inefável cenário com tal relicário, com absoluta certeza, diante de tanta beleza só poderia ser o verdadeiro e derradeiro santuário. Extasiado e estático parecia um armário. Porém, logo ali apareceu um rosto reluzente a me deixar feliz, e sorridente… De coração ardente, mas de repente começou a estabelecer-se a confusão. Aquele belo rosto trazia uma corda no pescoço. E a antiga coroa da coroação? Não com espinhos para espinhar aquela visão. Mas, e se fosse Tiradentes, então fiquei radiante ante a sua aparição, embora, não houvesse comparação. Para melhorar a conclusão enfiei o meu olhar lá pro fundo, aos pedregulhos do chão. Aquelas nuvens pareciam algodão doce qual minha mente as trouxe, porém, foram abocanhadas por um cardume, o qual a mim me trouxe o azedume da antanha visão. Porém, do meu riacho envolveu-me um facho de verdadeira demonstração:

Com a nossa mente podemos criar o infinito.

jbcampos